Pular para o conteúdo principal

Postagens

19 de fevereiro de 2017

e você decide
invariavelmente
se sim ou se não
Sempre te fui
você me nunca
(i.)
Postagens recentes

se João enxergasse azul

Peça de quebra-cabeça e fobia em desejo saciável na noite da mudez que grita a falta surda a mistura dos corpos e questiona todo o território russo que exila o beijo É amor até se se nega Um demônio impreciso em súcubo de deus quase grego não há resistência à tamanha ilegalidade
todo pé-direito escoraria suas bicicletas sinistras, rapaz

05 de Fevereiro de 2017 - xis

07 de Janeiro de 2017, chamamento à lucidez

daí, então a hipnose pelo o que não é perfume e cheira a preencher todo osso pneumático e me faz pato
sem colateralidade de sinusite. Ainda assim me enjoa o estômago
da boca dizer sem verbo, Do corpo
Há corpo
em inversão e também pelo avesso de dentro e todo o que faz pedir que queira amar pois que me 
engula
mais

De cima a baixo, pelo meio e não te desça seca e muito menos atravessada
que mal nunca te quis
Contudo, meio enxuta, por outro lado para amenizar o calor de corpos que se pregam sob o ventilador 
que nem mesmo pôde tentar porque não é, e não deve
não impediu a ramona que perdesse seus cabelos em meu corpo

De qualquer modo, falha em não deixar a nuca saborosa em sal doce. Soluça a tanto cuidado
e não dura mais que um banho

(i.) Reescrito em 2020.

Tende ao pessimismo, mas juro o contrário

saber então que apesar das coisas
boas, elas não estão tão assim
bem das pernas e caminham
reconhecer a infelicidade por isso
merecer sorrir

frente à frente com lágrimas inchorosas
põe a mão na garganta lá por dentro
arranca faringe ligamentos e tudo
quanto for sustentação pra não precisar do berro
já nem mais sangrar

o nervo distende quando desorbita
os problemas que ainda o são:
apresentam tamanho igual ao real
nem maior nem menor porque vistos de fora
nem facilmente resolvíveis

de então, não há mal em dizer ao motivo
a razão de permanecer vivendo
como não desejar a morte pra ver
até onde vão versículos mal tencionados
pra tornar os nossos em prosa

continuar enfrentando o que for defectível.
Isali - 12/12/2019

INSTAvel

Fosse um sonho nosso
Que a maquiagem também
Tirasse o cansaço
E não só a olheira
Que o filtro barrasse
Toda essa pedreira
De problemas
Que a gente tivesse
O coração livre
Pra estampar sombra
E remendo
Que nos aplaudissem

Loretha Torchia

Embaralho

Eu gosto desse movimento
A inércia do
Chega e tira
Sem medir espaço

Desperto
Inicio a busca
A visão ainda tonta
Ligar a luz ou não?

Arranco por cima
Vai parar na saída
Tão bom quando o sexo
Embaralha a gente

Desespero no começo
Pouco importa onde a saia vai parar
Desespero no final

Loretha Torchia

Mensagem de texto

[...] – outro dia recebi uma mensagem falando “Ah, é na rua tal, número não sei o quê”... rapaz? à noite que eu não vou desapear do meu carro pra ver onde passageiro está esperando.
Era a explicativa do motorista que entrecortava minhas lembranças da noite anterior. Mas, especialmente hoje, parece que esse era o único dos quatro chamados que fiz que poderiam me levar ao trabalho. Chovia e estava ainda mais difícil tomar um ônibus. É assim que as pessoas comumente falam aqui, “tomar”, como se reduzisse a literariedade de dizer que irão “pegar o ônibus”.
– Essa foi a única viagem que eu cancelei até hoje, trabalhando em aplicativo. Já são oito viagens no total. Duas foram canceladas pelo próprio passageiro.
Não costumo andar com motoristas que tenham feito tão poucas corridas. Normalmente quem tem tão pouca experiência no aplicativo, demora muito a concluir o percurso - mais tarde, poderia comprovar minha teoria.
– Mas, pra você ter uma ideia, eu não entendo a ruindade de quem avalia m…