Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2019

24 de fevereiro de 2017

Prometo a você toda dor que senti mais que o amor que ainda tenho Fazer dela tantos versos até esvair qualquer possibilidade de ti Extrair de mim as respostas v azias em nunca entender como foi gostar permitir tamanha mancha no meu colchão se seria temporário Se tive de você tão pouco acreditando no nunca e o chegar eterno Lamento não ter se feito entender ao dizer Amor, responda com palavra Aceito qualquer pedido torto de boca mole Agora, silêncio (xis)

A Mulher e o Pássaro

Depois de muito chover, o céu voltava ao límpido azul e nós àquele mesmo banco, antes rodeado de verde e hoje coberto de lodo. Era o hoje de algum tempo marcando atualidade porque, depois de um mês sem o jardim, recebíamos a mesma brisa de quanto dávamos voltas falando, repetindo, dizendo e desdizendo, assoviando, sibilando e piando, e nos convencendo, de que não queríamos mais nada além do sentimento de liberdade. Éramos nós dois. Nós e sozinhos. Sozinhos a desalinhar todo novelo de capim a se formar ali na seca e a tremular toda haste fina e frágil de flor que desabrochava naquela manhã fresca. Nos olhávamos olhos nos olhos e eu, sinceramente, não tinha esperanças de que ele falasse, afinal, aquela história nunca seria de amor. Ele, quando muito, chiava uns ‘humhum’ e eu, bem, eu queria que o vento me cantasse e minha voz beijasse o mundo. Nunca pedi para que dissesse algo e nem houve hora em que eu lhe pedisse um único beijo. Não fosse por nossa plenitude individual eu cabendo

Não há recomendações em Dicionário de Ciências da Saúde

Todo dia alguém diferente morria. Não tinha como. É o principal acontecimento daquele ambiente completamente impossível de ser evitado. No início a Márcia se condolecia toda e das primeiras vezes até tivera vontade de chorar, mas se controlara. Também por vezes, para não reagir tão facilmente às emoções que os vários clientes, ou pacientes, como queiram chamar, sentiam, ela fingia não ouvir. Parece besta né, mas cês já repararam a vida da gente é frágil: uma hora tá  bem, atravessando a rua  pra comprar um café e  no dia seguinte precisa de um parente pra voltar no hospital  só pra pegar um documento que comprove em vida a perda dela  óbito  Digo, óbvio. A gente põe reparo em uns assuntos que, na verdade, parecem nem requerer tanto. Foi assim que o Pedro se deu conta de que a porta de correr não abria com um sensor no chão, que detectasse o peso, mas com um acima da porta que percebia por infravermelho o corpo, uma movimentação por calor. Caso esse sensor falhass