Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2014

Imagem

Foi como se o meu eu espelhado fosse outro.
 De algum modo era, porque aquela não era eu.
 É clichê dizer que a imagem se mexia sem que eu fizesse qualquer movimento.
 É também clichê dizer que quando eu fui, ela ficou.
 Ficou e se apossou da vida que deveria ser minha.
 Como gêmea, mesma cara. Mesmo corpo. Mesmo andar.
 Mas ao contrário de gêmeos - que têm vidas independentes - ela dependia da minha imagem.

 Minha imagem, com outra vida.
 Cansou-se de mim.
 De estar limitada a mim.
 Preferiu tingir os cabelos de vermelho.
 Me atingia, e eu não me refletia.
 Unhas sempre bem feitas e pretas.

 Não se importava com mais nada, e eu já não aparecia para mim.
 Foi como ser vampira.
 Como se eu tivesse atrapalhado minha própria vida.
 Vida dela, na realidade.
 Eu a suguei. A extorqui a possibilidade de ela ser vida, não apenas imagem.
 Minha vida estava virada.
 Virou, porque reconheciam a ela, e eu era a estranha.

 Foi difícil entender, mas ela se livrou da atadura de vidro e alumínio.
 …