Pular para o conteúdo principal

Anomalia

Bem, mais que tudo, me apaixonei pelo o que você é.
Sempre calmo, até mesmo quando me altero, ou mesmo quando eu grito. Esse jeito de nunca estar pensando nada e também de nunca fazer planos. De qualquer forma essa pessoa consegue me deixar feliz, sendo assim: anormal.
Eu sendo quem errei. Errada. Errante. Errônea. Equivocada. Mal interpretada. Fui me apaixonar por alguém que não consigo decifrar os seus pensamentos, por alguém que mesmo sem querer, me fez sofrer, e sofrer por algo sem significância. Foi você quem acertou. Repare em quem foi se apaixonar... Numa garota que muitas vezes te liga chorando, e perguntando se ainda a ama, numa garota que não imaginava ouvir certo dia que é melhor não fazer planos, mas que sim, que por ele ficaria para sempre com ela.
Ele pode encher o coração dela de esperança, ela não vai se importar vai até onde der pra ir junto com ele.
Se ele sente medo que ela termine o belo relacionamento que eles têm, ela não sabe, ela se sente insegura, pois tem medo que ele venha se cansar de suas besteiras. Contradizendo tudo isso, o mais importante é que: mesmo com esse monte de motivos, os dois se amam e a verdade é que a vida sem esse jeito anormal de ser, esse jeito que um tem de completar o outro, é que será um saco viver sem isso. Viver sem alguém que deixa o outro bem mesmo quando mal. Com a diferença que um tem, o outro aprende. Com a igualdade, eles dividem alguns gostos parecidos.
Com essa anomalia eles procuram construir a vida. Na cabeça dele, sem planos de mais, na dela com a ideia de que eles podem a cada dia traçar novos planos, desafios, mesmo que no outro dia esse não aconteça, é só pelo prazer que ela sente em imaginar a vida e dar a ela as cores, os perfumes e sabores com os quais ela se sente bem, é só pra poder ser surpreendida, ou até mesmo para se aborrecer, afinal a vida nada seria sem seus dias de fossa, ou momentos de amargura. Nada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…