Pular para o conteúdo principal

Como é namorar um músico


 Para quem tá pensando que a vida de uma garota que namora um músico é uma doce melodia tocada em um violão, com notas dedilhadas, está desafinadamente enganado.
 De vez em quando, encontramos uma corda desafinada, aí sai um pouco do ritmo. Tem uns desentendimentos quanto ao tempo usado pra demarcar alguns novos sons. Assim, até qual a palheta usar é motivo pra discussão.
 Mas quando tudo é decidido. Quando a afinação do violão, (ou qualquer que seja o instrumento) está afinado, no tom da voz dela (ou dele, não quero pregar o feminismo), tudo fica bem. Saem músicas inspiradoras, lindas, que contagiam outras pessoas, essas que algumas vezes não saberiam se expressar se não fosse através destas. A música que contagia e apaixona. Os sons que envolvem, que te abraçam, como um casal de apaixonados na mais magnífica emoção.
 Mas bom mesmo é quando o namoro começa. A primeira coisa que uma namorada espera é uma música pra ela, ou que ela seja a musa inspiradora de alguma música que o leve à algum lugar. O que é bem diferente de um casal de namorados comum. Comum seria aquele casal não-musical. Nesse casal comum, o que ela espera em primeiro lugar é uma aliança de compromisso. Mas é óbvio, na música, nada é normal.
 O pior não é ficar sem a música. O pior, é ficar sem ele, no fim de semana (ou feriado, tanto faz), porque ele vai se encontrar com os amigos "músicos" dele. O lado bom, é que se esses tiverem namorada, você está bem, porque se você não vai, elas também não vão, e com certeza, vão ficar nos pés dele. (isso, nos dois pés. Namorar músico não é fácil. Tem muita gente querendo um "showzinho" particular em casa. Ainda mais sabendo que ele é bom com os dedos.)
 Mas isso é só para aqueles que não sabem que a sua musa inspiradora, pode não ter rendido uma música, mas que ela rende uma orquestra inteira se for necessário. É para aqueles que não sabem que vale a pena aprender tocar até gaita de foles pra deixar ela (ele) feliz. Que nem uma melodia, composta pelos mais dedicados, pelos melhores músicos que já existiram no mundo conseguiu, ou consegue expressar exatamente o que é o amor. Ou alguma que conseguisse decifrar a cabeça de uma mulher, senão, Freud não teria sido um médico neurologista, mas sim um músico apaixonado e cafona.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…