Pular para o conteúdo principal

Planeta prateado


Regresso total da humanidade será quando aqueles grandes homens, donos de maravilhosos centros comerciais, que carregam junto ao nome um cifrão seguido por alguns zeros, precisarem de alguma coisa simples e não conseguirem tê-la. Verem que toda aquela fortuna acumulada "de baixo do seu colchão" não compra a alegria que ele poderia trazer no seu coração e paz que traria para sua alma se tivesse sabido viver e aproveitar do que o mundo podia lhe oferecer.
 Árvores não são problemas. Ajudam na purificação do ar, muito necessário, diga-se de passagem. Como pretendem fazer com que prédios e mais prédios "devorem" o chamado dióxido de carbono que é o aliado do Aquecimento Global?
 É tanta coisa que o homem e sua "regressão" consegue fazer, que até parar um rio (nem que por algum tempo, pois depois ele volta, causando mais e mais alagamentos e destruição de construções).
 É contaminação de lençol freático, desmatamento pra tudo quanto é lado, construção de hidroelétricas (então energia limpa) que tiram tudo o que tem de vida num lugar, mas não se engane, essas vidas não são transferida para outro local. Elas vivem ali, ou não vivem em nenhum outro "ali".
 Ainda temos espaço no mundo pra que ele se desenvolva tanto assim? Onde caberá tanta tecnologia? Nossos móveis, carros, roupas e objetos decorativos serão todos reciclados? É tanto metal que o povo tem pra fazer os objetos mais inusitados. É uma frota tão grande de automóveis que não tem lugar pra andar. Os filhos de um novo tempo, que forem astronautas irão novamente à Lua, e dirão a seguinte frase: Terra. Ex-planeta água. Agora, planeta laminado.
 E é nessa grande estufa, anti-aquífera, com super-população e sem respiração é que viverão os próximos terráqueos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…