Pular para o conteúdo principal

Ser "cool" não é ser igual


 Continuam julgando pelas roupas que uso. Pelos piercings que tenho, por minhas tatuagens e pelo meu jeito cético de pensar e expressar-me.
 Me rejeitam por eu não querer ser um "Eu, etiqueta" e sim  por querer ser um "Eu, gibi". Aqui expresso a minha total revolta e preconceito com aqueles que tem preconceito. A cada dia, mais pessoas morrem vítimas dele, seja racial, sexual ou mesmo social. Aqui mostro o meu preconceito contra o monstro que assola a vida de todos.
 Não poder furar o nariz, ou fazer tatuagem, porque assim serei taxado de maloqueira ou então drogada, viciada, vagabunda, "sem mãe" e até possuída. Não poder usar roupa preta, ou algum acessório que tenha uma caveira, uma até fofa com coração nos olhos, pois assim estou virando emo.
 Se eu tenho o buraco da minha orelha, o que colocava brincos, agora alargado o problema é meu. Foi uma escolha minha fazer isso. Assim como quem escolhe fumar ou beber. Não venha enfiar seu dedo nele. Se você não tem um na orelha você têm em furos em outros lugares e não gostaria que ninguém colocasse o dedo neles.
 Como todos dizem: Todos temos um preconceito. Qual é o seu? É hora de se mostrar e viver segundo o que você acha correto. Não é assim que todos veem pregando a tanto tempo?
 Se me pensam que sou drogada por minha tatuagem e me negam um emprego, eles não sabem o profissional que estão perdendo.
 Se me negam um vida com alegria porque eu uso brinco no nariz, não sabem o quanto aprenderiam comigo.
 Se me renegam na família por eu não ser da forma padrão que eles querem, eles não sabem o quanto poderiam ganhar enquanto vivo, ou depois que morro.
 Ser escritora não me impede de ser diferente. Afinal, todos são meio "porra-loucas".
Preciso lembrar que todos "viemos do barro e ao barro voltaremos"?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…