Pular para o conteúdo principal

Um brinde à escrita


 É crueldade, das piores, privar alguém de escrever. Ainda mais alguém que ama tanto fazê-lo.
 Mastigar-lhe os dedos e triturar o seu cérebro.
 Pare de pensar.
 Pare de respirar.
 Tapar-lhe a boca e emudecer seus lábios.
 É crueldade viver sem devaneios. É crueldade não poder escrever até quando se quer.
 Liberdade de expressão. Liberdade para escrever, quando necessário ou quando desnecessário.
 Escrever é labor. Escrever é hobby. Escrever é acalmar para aqueles que sabem. É também estresse para aqueles que não.
 Alguns que escrevem para viver. Outros que escrevem para desabafar.
 Da mesma maneira dos que choram, comem, fumam ou bebem. Ou da mesma daqueles que falam muito verbalmente ou que simplesmente se enterram numa cama.
 Pelo direito de ser. Pelo direito de escrever. Pelo de muitos que morreram por ela. Daqueles que morreram sem ou com ela. Com as palavras escritas com pena, ou com tinta de caneta, com também desenhos que expressem o sentimento. De dor ou de alegria. Com os dedos a fazer letras no ar. Por aqueles que não puderam escrever, por não saberem e por aqueles que sabem como escrever e não escrevem.
 A fala, não mais importante que a escrita. Essa não menos importante que qualquer outra coisa e nem mais importante. Pra alguns.
 E para aqueles que se baseiam disso? Os que se baseiam na escrita.
 Para mim, nada, nenhuma matéria deveria vir abaixo dela. Quero um dia viver, e morrer por ela. Com grande amor e dedicação como tantos outros profissionais. Como os médicos, como os bons professores. Também como os advogados e como os políticos responsáveis e verdadeiramente comprometidos. Se é que esses existem. Assim como a dona de casa que dedica a vida a seus filhos e da mesma forma que um dentista ou veterinário cuida de seus pacientes.
 O escritor. Tão profissional como qualquer outro, mas com um quê a mais de emoção e uma pitada menor de racionalização.
 Igualmente diferente àqueles que morrem jovens, fazem vários poemas e o publicam em uma única edição póstuma. Ou como o artista plástico que é, muito mais tarde após a sua morte, visto de forma oposta, ao seu sexo. Como se seu quadro fosse ele, na versão feminina. Da mesma maneira que o cantor do rock, que fez história, pôde ser homossexual e hoje ainda têm agressões homofóbicas.
 Porque os que mais pregaram a paz ou tinham pouca vestimenta, ou eram negros, e até mesmo "rei", ou com cara de mendigos, ou mesmo usavam óculos redondos, ou tinham aparência comum, sofreram preconceitos. Mas não deixaram de se expressar. Escreveram ou tiveram suas palavras escritas e re-escritas por vários em inúmeras citações.
 São esses os "escritas". À eles, um brinde!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…