Pular para o conteúdo principal

Um "quê" de depressividade


 Um quê de depressividade.
 Depressividade, não depressão.
 Depressividade por aqueles que tiveram que tomar caminhos diferentes dos que planejaram pra si.
 Por aqueles que sonharam e não puderam realizá-los. Não realizaram por terem de ser ativos, construtivos. E também por aqueles que nunca se acharam capaz para tanto. Uma lástima, para os que acharam que sonhar, que dar entrevistas pro espelho, cantar debaixo do chuveiro e beijar a laranja, foi tudo perda de tempo. Uma outra para os que zombaram desses.
 E pra você, que assim como eu, ainda sonha. Luta. E acha que apesar de pouco, já viveu muito. Para você que tem a cara pregada no álbum de figurinhas do destino, lembrada como: "Adorei me divertir com esse(a) aqui!", acalme-se. Sempre, tudo pode mudar. E vai.
 Vai, não porque eu quero. Não por ter alguém no controle de tudo. Vai, pois há um quê de depressividade. Para mim que nunca me contento com um simples: "sim", e que não me alegro em receber um "não".
 Rá! Ainda tem uma saída. Nada demais, não quero e nem serei conselheira de ninguém, mas têm de ter algo pra melhorar 
 Não, me enganei... essa frase apenas brotou na minha mente, ela não se encaixa nesse texto. Se acha que já sofreu tudo o que podia, você ainda vai sofrer mais. "Não crie expectativas!". Ótimo, alguém já parou e perguntou como se faz isso? Até com coisas tristes, sádicas, eu crio expectativas. Ah, e sofro - muito - por antecipação. Como? Não sei... talvez seja mais fácil pensar em não pensar. Estou me acostumando a viver assim. Acho que é aquela coisa de "ócio criativo".
 E ainda com tudo isso, não desisti. Não que não tenha querido, é que não consegui desistir. Não consegui pensar de maneira menos complicada, não fui capaz de escolher uma profissão mais rentável. (Porquê estou falando de profissão, não sei. Na faculdade ainda não entrei).
 É que não consigo pensar que não poderei tentar fazer o que gosto sendo apoiada a isso. Ainda me choco com as coisas que acontecem, e por isso, é possível, que essa seja minha motivação. Meu fogo combustível de raiva, indignação e sentimento de compaixão com os que merecem. É por saber que mulheres tiveram de se casar sem quererem. São pelos choros abafados vindos de uma criança que sofre. São pelos desejos que foram reprimidos por séculos. É pela vontade de viver, e amar. E ser amada. É pelo quê de depressividade em pensar que a vida toma caminhos diferentes dos que esperamos. É por termos escolha, mas não guiarmos a nossa vida. 
 É pela depressão de que, nada (nada), pode acontecer se não tiver capital. É engraçado ouvir que "você não pode mais pensar/agir assim". É engraçado!, ria!!
 O céu tem estrelas sempre, até quando é dia. É pela depressividade que prefiro continuar. É por ela que chove, que têm nuvens e que o mundo não é rosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…