Pular para o conteúdo principal

Sinceridades


Isso é sobre guardar coisas (listas; textos; materiais escolares, de modo geral) de toda uma vida escolar, com medo de jogá-las fora e precisar em algum momento da vida-pré-vestibular. Ou pré-vida (que dá na mesma).
 Algumas vezes me perguntaram do que eu tinha medo. A resposta atrelada à essa pergunta sempre foi em torno dessas coisas: baratas; gatos; solidão; desaprovação materna e infelicidade. Hoje tenho consciência de que a raiz desses medos - menos de baratas e gatos - tenham sido com a tensão do vestibular. Pior! Um vestibular mal-sucedido.
 - Ok, talvez a solidão (o medo dela) tenha se originado num outro ponto, mas com certeza foi agravado por àquela raiz.
Caí em mim. Percebi que todo o material guardado - que não os de português - foram inúteis, e meramente por nostalgia. Saudosista como sempre, acabei deixando algumas resmas guardadas, mas como tenho necessidade de mais espaço, creio ter jogado alguns quilos fundamentais e médios no lixo.
 Mantenho em meu armário boa parte de todas as redações feitas até aqui. Não são todas ótimas, nem com notas esplendidas. Algumas têm críticas que me magoaram e provocaram um xingamento - interno - aos corretores. Passou! Sei que essas infinitas críticas me ajudaram. E é aqui que preciso falar aos meus professores.
 Essa parte é a mais importante. É para todos - TODOS MESMO! - os professores, mestres, tutores, deuses, divos, pais, inspiradores, carrascos, criadores, heróis e amigos que tive até aqui. Desde a minha querida professora "tia", que me alfabetizou, passando por aqueles que me desafiaram e me testaram. Pelo os que não gostaram de mim, até os que me apoiaram e me incentivaram e me despertaram o desejo de sempre fazer mais. De fazer inúmeras graduações. De fazer magistério. De crescer!
 Sei que não são todos os que eu tive que lerão isso, mas gostaria que a maioria soubesse - mesmo que pela boca dos outros - o quanto foram (e são) importantes para mim.
 Obrigada colegas de classe (os bons e os ruins) porque hoje sou o que vocês me "permitiram" ser. Interferiram no ensino dos professores que tive.
 Obrigada forças internas e externas.
 Obrigada família, formada por várias professoras.
 Obrigada meu Senhor Jesus, que é meu. E obrigada também a tudo e qualquer divindade que alguns dos meus amigos acreditam, e que pediram por mim, e mesmo diferentes de mim ainda assim me respeitaram e acreditaram em mim.
 Obrigada para àqueles que não acreditaram em nada além do esforço próprio. Vocês também me fizeram crescer.
 Queria ser assim, e mandar todos vocês que pensaram mal de mim, que não quiseram a minha vitória e minha alegria, se ferrarem ... mas espero que sejam felizes. Porque gente triste perto de mim, só piora.
 Português (redação, literatura, gramática, linguagens ...), história (inclusive da arte), geografia, física, inglês, matemática (álgebra e geometria), sociologia, filosofia, biologia ("ciências"), religião, cidadania, fotografia, educação física (só ganhava pontos de participação e trabalhos escritos), química; e tudo o que virá! Respectivos professores sintam-se eternamente agradecidos! Construíram a Isabella dos Santos Lima, mais contente do mundo!
 Já sobre guardar "coisas" antigas, bem ... guarde! Guarde até quando elas te fizerem uma boa diferença. Inclusive - e principalmente - recordações.

 29/07/2014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…