Pular para o conteúdo principal

Amor Confesso



 Começou no dia em que encontrei um barquinho de papel com escritas chatas e desconexas. Ainda assim sabia que ele me retribuiria por tirá-lo daquela escada de faculdade.  Coloquei-o na mochila. Jogaria no lixo, mas ao começar escrever, dei significado real aquilo que não valia nem para quem o criou. Não faço ideia de quem foi. Pela caligrafia, um homem.
 Em seguida comecei um texto para a faculdade. Não sabia que caminho levar ao que eu escrevia, mas decidi incluir meu “barco-personagem” no meu conto. Foi nessa parte que percebi: inconsciente, coloquei o nome do meu personagem de Bento. Personagem principal do último livro que li. Sabendo da tragédia que o nome carregava, não mudei seu final de quem fora traído. Só preferi não fazê-lo cheio de amargura como Machado fê-lo há décadas.
 Nunca confessei amor por ele, no entanto vendo a forma com a qual aderi ao nome dado por ele, dado ao grande ícone personagem da literatura brasileira, assumo: “Machado! Te achava um chato! Mas agora entendi a relação – interna- entre amor e ódio que me amarram a você a seus escritos.”

Isabella dos Santos Lima

16/10/14

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo Mas já pertence a um outro eu Quem eu sou agora Nem aquela e nem você conhecem mais Desconstrução diária Noite instantânea Passam-se semanas e outro mês A colheita de reserva ora é destino ora é consequência Loretha Torchia

metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto qua

sob as luzes que tentam apagar a lua

aqui da sacada do apartamento por hora meu vejo a lua e ouço os sons indevidos da rua. um cachorro late ao fundo um grilo ou os cabos de tensão dos postes aqui na frente chiam parecido. vejo a sombra do meu gato que vê em mim tristeza ou encontro com quem sou. agora uma luz menor que a lua brilha abaixo dela chamo de estrela sabendo que possivelmente erro por ser um planeta cujo nome humano desconheço. faço coisas que não esperava e não queria escondo por vergonha e continuo por teimosia vício quem sabe. é difícil demais explicar pro bicho que triste não espero morrer, mas a conversa com Ela vem vez e outra. acabei de lavar o rosto com água apenas e banho eu tomo logo, mas minhas sobrancelhas ainda estão molhadas. estou com quem desejo e sei do colo que quero agora a um oceano distante. anseio o choro que sempre veio e momentaneamente se ausenta porque me ocupo de mim. isali 05/07/2020