Pular para o conteúdo principal

Dom Barquinho


Era um barquinho de papel. Bento sentiu grande curiosidade e se abaixou para pegá-lo. Observou com atenção toda a informação contida nele. Palavras que formavam frases de amor.
 Bento tinha 19 anos, nunca tivera um grande amor. Se encantava por algumas garotas, mas nunca se apaixonou. No entanto, com a menina do barquinho, foi diferente. Sua letra longilínea era linda, limpa e suave. E ele até podia sentir o cheiro que suas mãos tinham... flores! Ah! mãos que escreveram e fizeram o barquinho.
 Se apaixonou pelo desconhecido. Pelo incerto. Era um sentimento incrível! Como nunca o sentira antes? E ao longo de um mês, este interminável, procurou por ela sem cessar. Não encontrou. Não fazia ideia da cor de seus cabelos, de seus olhos, menos ainda de sua pele e não sabia nem qual seria a sua altura.
 Tomou para a sua vida o barquinho. Tinha sonhos com alguém que não conhecia, dando-lhe aquela dobradura de papel. Sonhava com o enlace dos braços de ninguém. Ora negros, ora brancos, ora amarelos e outrora mulatos.
 Percebeu que o amor existia, mas era indefinido, desprovido de face. Então, numa tarde ao chegar em casa, deita-se em sua cama e lamenta-se. Pega no sono. “Bento...”, sonhou: “Bentinho! Desperta!”. Acordou de repente, com tremores. Pensou a respeito daquilo.
 Fora seu barquinho que o chamara, dizendo-lhe que ele estava caindo de amores por alguém que escreveu os versos para outro. Versos de amor para outro.
 Só foi perceber que a vida reproduziu em verdade o romance criado por Machado de Assis. Não exatamente como foi escrito, mas era Bento e sentia-se traído pela amada. Amada que dedicara versos a um outro rapaz. Desconhecido, claro, mas era outro amor.
 Bento não se tornara casmurro, só que nunca acreditou na inocência da amada do barquinho. Não se desfez dele, e cria também que talvez valesse mais amar aquele origami falante de seus sonhos, do que a Capitu que o criou.


16/10/14
Isabella dos Santos Lima

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…