Pular para o conteúdo principal

Par


Foi assim mas como meu pai, mereci

Fiz por onde
Era cedo, ninguém ouvia, algo seco
Me atingiu
A cabeça, eu ouvi deveria ser
Boa e carreguei por todo tempo

As três
Pari
Caíram

Amamentei
Levantei

O reprodutor tava ali não sei se
Era o meu ou o
Que me escolheu
Nasci assim
Me coube a mim ou tentar ser
Ou saber que poderia ser, ainda que quando soube, já não podia

Não era madeira, era resistente
Consistente
Me afundou a mente e à tríade divina, sangrei.
Morri porque
Creram por mim que assim deveria ser,
Devia ter aprendido que nasci pra
Satisfazer

Me impediram
Ser o que deveria, se é que deveria
Algo além
Objetificada

Não sabia que não podia,
Morri até que passei a ser.
Vivo por mim, porque a vida é
Minha por direito, que escolhi
Direito que dei aos meus
Que hoje são
Até quando nasci

Era seco e doeu

O dia em que me bateram com a
Verdade que
Escolhi enxergar, porque justo não
Era que eu não vivesse não era que
Sofresse sem saber o que era o não-isso
Foi quando arrancaram suas pálpebras
Puseram a
Ver

A mim, como sou, não como deveria
Para que eu tivesse desejos e
Não os escondesse
Fizesse o sexo, não que eu fosse

Frágil foi minha cabeça que se par
tiu

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo Mas já pertence a um outro eu Quem eu sou agora Nem aquela e nem você conhecem mais Desconstrução diária Noite instantânea Passam-se semanas e outro mês A colheita de reserva ora é destino ora é consequência Loretha Torchia

metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto qua

sob as luzes que tentam apagar a lua

aqui da sacada do apartamento por hora meu vejo a lua e ouço os sons indevidos da rua. um cachorro late ao fundo um grilo ou os cabos de tensão dos postes aqui na frente chiam parecido. vejo a sombra do meu gato que vê em mim tristeza ou encontro com quem sou. agora uma luz menor que a lua brilha abaixo dela chamo de estrela sabendo que possivelmente erro por ser um planeta cujo nome humano desconheço. faço coisas que não esperava e não queria escondo por vergonha e continuo por teimosia vício quem sabe. é difícil demais explicar pro bicho que triste não espero morrer, mas a conversa com Ela vem vez e outra. acabei de lavar o rosto com água apenas e banho eu tomo logo, mas minhas sobrancelhas ainda estão molhadas. estou com quem desejo e sei do colo que quero agora a um oceano distante. anseio o choro que sempre veio e momentaneamente se ausenta porque me ocupo de mim. isali 05/07/2020