Pular para o conteúdo principal

A Mulher e o Pássaro

Depois de muito chover, o céu voltava ao límpido azul e nós àquele mesmo banco, antes rodeado de verde e hoje coberto de lodo. Era o hoje de algum tempo marcando atualidade porque, depois de um mês sem o jardim, recebíamos a mesma brisa de quanto dávamos voltas falando, repetindo, dizendo e desdizendo, assoviando, sibilando e piando, e nos convencendo, de que não queríamos mais nada além do sentimento de liberdade.
Éramos nós dois. Nós e sozinhos. Sozinhos a desalinhar todo novelo de capim a se formar ali na seca e a tremular toda haste fina e frágil de flor que desabrochava naquela manhã fresca. Nos olhávamos olhos nos olhos e eu, sinceramente, não tinha esperanças de que ele falasse, afinal, aquela história nunca seria de amor. Ele, quando muito, chiava uns ‘humhum’ e eu, bem, eu queria que o vento me cantasse e minha voz beijasse o mundo.
Nunca pedi para que dissesse algo e nem houve hora em que eu lhe pedisse um único beijo. Não fosse por nossa plenitude individual eu cabendo em mim de cabelos lisos e rentes aos ombros, e ele de peito rígido e olhar duro, respirando compassadamente, seria por minha infelicidade em não fazer tão habilidosos movimentos e, assim, dobrar o ar e me equivaler à paina lambiscando cada gotinha de nuvem.
Não, ele não aprenderia a caminhar comigo e nós não nascemos para um monorromance.

Sobrevoou minha cabeça e partiu sozinho, rasgando o nosso céu ao meio. Deixou metade comigo só e me fez ter certeza de que nós só coexistiríamos em tempestade. Desde então, habito a calmaria.

(Isabella - 13 de dezembro de 2017)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…