Pular para o conteúdo principal

Não há recomendações em Dicionário de Ciências da Saúde


Todo dia alguém diferente morria. Não tinha como. É o principal acontecimento daquele ambiente completamente impossível de ser evitado. No início a Márcia se condolecia toda e das primeiras vezes até tivera vontade de chorar, mas se controlara. Também por vezes, para não reagir tão facilmente às emoções que os vários clientes, ou pacientes, como queiram chamar, sentiam, ela fingia não ouvir.

Parece besta né, mas cês já repararam
a vida da gente é frágil: uma hora tá 
bem, atravessando a rua 
pra comprar um café e 
no dia seguinte precisa de um parente pra voltar no hospital 
só pra pegar um documento que comprove em vida a perda dela 
óbito 

Digo, óbvio. A gente põe reparo em uns assuntos que, na verdade, parecem nem requerer tanto. Foi assim que o Pedro se deu conta de que a porta de correr não abria com um sensor no chão, que detectasse o peso, mas com um acima da porta que percebia por infravermelho o corpo, uma movimentação por calor. Caso esse sensor falhasse ele deveria apertar o botão à esquerda da porta. Por não alcançá-lo, continuava pulando em frente a ela. 

Já tentei por tudo e qualquer coisa 
fosse meramente mais fácil mas parece 
não enxergo nem aquilo que é mais prático 

Parecia difícil demais lidar com o correr do dia. Era uma balinha de côco atrás da outra mesmo depois de se dar conta de que aquela última que provara, que pegou em cima dum monte de livros em sua casa, tinha estranhamente o gosto do cheiro de seu quarto. Um bom cheiro, mas um péssimo sabor pra uma bala de côco. E ela sabia, não era pior do que a sensação de ver um grupo de filhas escolhendo batom pra mãe. 

Pode passar maquiagem e batom vermelho que ela gosta 
Mas nos ajuda a escolher a roupa, moço 
Queremos que passe uma imagem de paz 

Assim escolheram a roupa branquinha. A Márcia saia todos os dias da mesa à direita da porta única de entrada (e de saída) para ir ao banheiro. Pontualmente às onze horas e nove minutos. Se tardasse, não passava de um minuto e meio. Naquela hora, que não quer dizer hora propriamente, mas momento e não menos que isso, se levantou antes segurando o rímel. Passou pelo lado contrário ao da porta. 

Sabe? Esse povo todo vem aqui e quase toda semana 
Será que não vê que vira hábito 
e pode virar uma doença ou coisa 
assim 

Era isso, o Pedro sofria, então, de uma doença incontrolável e não conseguia entender, mais burro que um macaco, que havia um botão pra abrir a porta que ele sequer sairia. 

Que porta idiota 
desfuncional 
se precisasse sair depressa morria todo mundo aqui 
Quem era, então, que cuidaria da imagem póstuma se a cara, em vida, já era hipocondríaca? 

– Não, moça. Obrigada, quem gostava de musse de maracujá com chocolate era a outra atendente. 


(Isali - Julho de 2018 - 21 de Fevereiro de 2019)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…