Pular para o conteúdo principal

batismo

batismo

desarmou-se como que esgotada a fé
perdera por completo aquele estigma invisível e familiar,
o brio que fazia-o não mais um
mas mais O
os colegas lhe atribuíam adjetivos grandiosos
pra não dizer grandiloquentes e
confundi-lo
afinal, confundia-se com tudo
era tanto mais ouvinte que orador
tanto mais hospedaria que hóspede
tanto mais sozinho que solitário
era em verdade uma casa abrigando uma coleção
dessas coleções que fazemos em criança
e que um dia, no acaso de uma gaveta,
nos pega de empreita às lembranças
uma casa abrigando uma coleção de palavras inauditas
sustenidas
palavras miudinhas
não era nada além dessa casa esquecida
casa sem chão sem teto sem paredes sem medidas
mas ainda uma casa, não é certo?
do alpendre pode-se ver a lua iluminando tudo
aliás, nada
não se vê nada além da lua iluminando a falácia tudo
doía naquele homem prostrado ante a janela-mundo,
seu olhar triste e embaçado por lágrimas teimosas,
observar o astro e descobrir-se ora ínfimo demais
ora um sem deus ora sem nada pra suscitar-lhe
antítese
desarmou-se como quem desarreia um cavalo
fora até a capela São José Operário correndo
descalço
certificar-se de que não mais era preciso
subir n'algum banco pra alcançar a aldraba. 

A aldraba soube dar nome ao que ele sentia
sem precisar sinal da cruz ou semelhante coisa.

zé - 19 de maio de 2019

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…