Pular para o conteúdo principal

metáforas pra dizer Cicatrização

Ainda quando muito pequena, aprendi que a densidade das horas, somada ao tempo e à baixa temperatura, formava no ar uma cortina de neblina passível de ser cortada. Era assim que lá na roça o povo falava, "cortar o ar com a mão". Também veio de lá o "frio de cortar". Não muito distante, consegui cair e cortar o queixo: ora, queixo por queixo, a reclama vem pelo talho na pele.
Cabelo também se corta, mas o meu quem aparava era minha avó que pra mim partir só partia bolo, depois de esfriar para não dar dor de barriga (afinal, cortar caganeira dava trabalho demais). Até o dia em que ela não estava mais ali para saber da lua.
As unhas, formadas pela mesma queratina dos cabelos (eu soube mais tarde), mas em condições e por isso com funções diferentes, eu passei a cortar com os dentes.
Assim, dentre cortar o rio com uma varinha e atalhar caminhos, atravessando pelo meio do pasto, acabei dividida entre meu pai e minha mãe.
Num corte temporal, quando meu pai e eu tomávamos chuva na moto, era mais difícil cortar a cidade. Naquele dia, vi que água também cortava. E sentíamos, nas pernas, as gotas afiadas como agulhas.

Ser cortado da empresa aonde trabalhava calhou na separação dele da minha mãe que, para conter despesas, me ensinou a viver sem privilégios, apenas com o que nos era de direito: isso para não nos cortarem a luz.
Fui também desclassificada de alguns vestibulares, mas isso era o que não dava para chamar de "corte".
Agora, nisso eu já era adulta, me livrei dos cortes acidentais com lâmina de barbear por preferir me depilar com cera. Mas só depois de contingenciarem verbas para a educação e negarem haver cortes, é que me lembrei que o coração é o único a ser quebrado, a não ser que haja nele o corte anatômico: sagital ou coronal.
Soube: a dada temperatura, acrescido de horas, até o leite toma densidade o suficiente para ser cortado, mas só o tempo, ele só, é quem cura o queijo.

(Isali - 18/06/19)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo
Mas já pertence a um outro eu
Quem eu sou agora
Nem aquela e nem você conhecem mais
Desconstrução diária
Noite instantânea
Passam-se semanas e outro mês
A colheita de reserva ora é destino ora é consequência

Loretha Torchia

Coerência

O pé quem moveu fui eu
Foi meu
O beijo que avançou
Os km quem contou fui eu
Foi meu
O suspiro que enterrou
O convite pro Samba foi meu
Fui eu

Ora, se tudo aqui se resumi assim
Deveria me importar com quem?
De quem esperar o desfecho?
Não sendo assim seria incoerente

Loretha Torchia


metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto quanto urubus. a vida que…