Pular para o conteúdo principal

Enredo mínimo de vida




Percebi que o estalo de meu tornozelo se equivalia à mesma dor que vinha sentindo na mandíbula. Dor pelo cansaço. No caso do maxilar, pelo cansaço da mente. No pé, o do corpo. Dentro das horas, que tendem a se alongar na mediocridade dos dias, o desencontro foi inesperado, bem como a falta de apetite, ainda que venha perdendo peso há pelo menos três meses. E nisso, o inusitado: o moço grisalho dançando no ônibus, que quase me fez sorrir.

Devia ter uns 40 anos, por aí. Proletário, trabalhador uniformizado do pescoço às botas pretas que calçava. Estimo a idade por uns e outros cabelos brancos, inclusive na pouca barba que ostentava, porque sendo daquele jeito, tão pouca, decerto que era orgulho. Jovens demais não são assim, tão cheios de si. Não o digo senhor porque, tendo vinte e poucos anos há mais que eu, não o enxergava de maneira senil, como enxergo ao meu avô, mas de maneira proximal demais como quem observa uma paixãozinha, dessas passageiras, ou como quem vê um amigo quase-irmão. De pé, ali, remexia de jeito engraçado os quadris. De um lado para o outro, batucava no ar com a mão esquerda e, vez e outra, balançava a direita. Se ele notava, não se importava que o olhassem mover os lábios cantarolando alguma música com refrão boom boom pow, ou o iniciozinho de Hey Ya, dum grupo musical que bombou nos clubes em aulas de hidroginástica em 2009. Sabia que não estava ouvindo Césaria Évora, senão dedilharia o ar. Também não era Alceu Valença, seria automático dançar quebrando dois pra esquerda dois pra direita. Certa, também, que não era rock. Ninguém tem esse remelexo ouvindo, sei lá, Pitty. Menos ainda se fosse um i'm going off the rails on a crazy train.

Eu pensava, ele também deve sofrer por amor.


11/01/17 (i.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mudança

Ia só copiar um antigo Mas já pertence a um outro eu Quem eu sou agora Nem aquela e nem você conhecem mais Desconstrução diária Noite instantânea Passam-se semanas e outro mês A colheita de reserva ora é destino ora é consequência Loretha Torchia

metáforas para dizer Tempo

demorou o suficiente para eu notar que a luz da botoeira do elevador se apagava à medida em que ele chegava ao meu andar, e meu lixo se decompunha, apodrecia e mal-cheirava, como a velha que, no dia anterior, contava como Casca de ovo é bom pra tudo, coloco até na comida do meu neto no ponto de ônibus. No apartamento vizinho, ouvia O tempo voa decerto de alguém que também muito viveu. Naqueles vinte minutos em que esperava, estava evidente que o tempo voava na velocidade de uma bicicleta sem rodas, guinchada por um motorista cego. Enquanto ouvia o som do maquinário velho recém-reformado do elevador do prédio antigo, agora me novo, dei-me conta de que as contas que não fiz ainda seriam, como já eram antes de chegar, o desfecho da minha vida a ensinar, como a velha, O tempo não voa porque nem pernas têm! Para saber que até chegar ao aterro sanitário, meu lixo já poderia ter criado novos organismos para ser capaz de bem alimentar como de matar, quem pairava por lá tanto qua

sob as luzes que tentam apagar a lua

aqui da sacada do apartamento por hora meu vejo a lua e ouço os sons indevidos da rua. um cachorro late ao fundo um grilo ou os cabos de tensão dos postes aqui na frente chiam parecido. vejo a sombra do meu gato que vê em mim tristeza ou encontro com quem sou. agora uma luz menor que a lua brilha abaixo dela chamo de estrela sabendo que possivelmente erro por ser um planeta cujo nome humano desconheço. faço coisas que não esperava e não queria escondo por vergonha e continuo por teimosia vício quem sabe. é difícil demais explicar pro bicho que triste não espero morrer, mas a conversa com Ela vem vez e outra. acabei de lavar o rosto com água apenas e banho eu tomo logo, mas minhas sobrancelhas ainda estão molhadas. estou com quem desejo e sei do colo que quero agora a um oceano distante. anseio o choro que sempre veio e momentaneamente se ausenta porque me ocupo de mim. isali 05/07/2020